segunda-feira, 18 de abril de 2011

Ciúmes



Que raiva que sinto agora
Do ciúme que aflora
Que brotou em ti
Sem razão, sem sentido
Não ouves o meu grito
E me sinto pequena assim

Não entendes e não queres
E num segundo que proferes
Palavras duras para mim
Me mágoas e me feres
Meus sentimentos e não medes
Essa mágoa enfim

Eu te amo, te escolhi
És meu homem, meu marido
Tão amado tão querido
Por favor não fazes assim!

Não deixe que OUTROS se intrometam
E consigam o que almejam
Nos separar,
pôr um fim...




Auxiliadora RS
25/03/2011  09:44

2 comentários:

A.S. disse...

Nenhum amor sobrevive se não existir cumplicidade!...


Beijos meus,
AL

Kiro Menezes disse...

Jamais, quem ama não se separa jamais, e és prova disso!!!