quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Tardes simples para lembrar
a canção que trás o coração de volta
seja o irmão ou inimigo
ou o amigo
ou o esquecido amante
que não é mais como antes
seja lá quem for...

Nos olhos tardios da saudade
ela adentra você
te deixa estático
te eleva, transporta
vai buscar longe quem se foi
e que não volta...

Se aquelas palavras escritas
num papel qualquer te fosse dado
e talvés lido
se faria diferença, não sei
não se sabe
talvés revertesse a ausência
quem sabe...

E o que ficou
foi a angustiante saudade
foi a inércia das horas
de um tempo para viver
a vida dos que ficaram
dos que não morreram
ou morreram sem saber...

O que se sabe então?
Se a verdade do saber é contrária
a esse silêncio insurdecedor?
Eu Sei que perdi
que não renasci
porque ainda não me fui
porque ainda não morri...

Eu sei que vou...
Não sei quando vou...
Mas quero ir!


Auxiliadora RS
17/12/2015 - 10:03

PS: Para minha amiga NELMA ARRUDA, que se foi tão nova,
       por quem choro a ausência da saudade. 


terça-feira, 24 de novembro de 2015

Eu e o espelho

Resultado de imagem para olhando-se no espelho gif.
O reflexo no espelho
O que pode incomodar?
A juventude pedida?
Fugida, fingida, tingida...
Vejo a senhora, com todos seus "ais"
E o tormento como a flor murcha
Do querer ser bela
Sem se importar de que forma
A senhora já foi mais ousada, mais "saída"
E seus olhos claros não refletem mais
A juventude que fora roubada
E o cansaço que sente seus ossos
E a pele de suas mãos tão pálidas
Ah, deve estar realmente morrendo
E não há tinta que enfeite um quadro
Mais demente, que a nudez envelhecida
Falem o que quiser, nunca irá gostar
Desse tempo que castiga
Que a faz lembrar-se do que foi deixado
Do que não voltará
Tendo que se acostumar
Com esse reflexo no espelho

Auxiliadora RS
11/09/2015 - 18h56

sábado, 17 de outubro de 2015


Não faço mais versos
Nem poesias e rimas
Não tenho a ingenuidade das virgens
Nem a visão da sábia
Não sou atirada, nem descolada
Chego a ser até careta
Não sou jovem nem velha
Mas anciã as vezes
Uma coisa eu sei que sou
Sou jogada ao vento
Como as ciganas a dançar
Ao redor das fogueiras
No calor d'alguma noite
Ouvindo a rasga mortalha piar
E ao som do pandeiro, flutuar
Ser simples, como um sonho...

Auxiliadora RS
17/10/2015 - 13:23

sábado, 3 de outubro de 2015

A cor morta que vejo
Não é preto nem roxo
Também não reflete vermelho
A cor morta que vejo
Tem nuances de azul
Ou será amarelo?
Não sei...
Abro os olhos e agora
Me pareceu mesmo verde
Ou uma mistura de limão
A cor morta que vejo
É engraçada, divertida
Porque está apenas em mim
Nos olhos parados
Na imensidão do tempo
Em que eles ficam inertes


Auxiliadora RS
02/10/2015 - 13:45

sexta-feira, 11 de setembro de 2015


É por você que não choro
Sentada, sozinha em minha solidão
É você que me faz forte
Para continuar a caminhada
É só você que me acompanha
Mesmo quando está ausente
É você que me faz sentir assim
Menina às vezes
Mãe protetora
Mulher sedutora
Amante ardente
É você o responsável
Por me querer capaz
Você não entende que desmorono
Mas que retomo o controle...
Você não enxerga que essa culpa está aqui
E que doí demais em mim
O tempo que perdi
É você amor que me levanta
Somente você me faz querer seguir
E vou com você até o fim
O fim de nós dois...

Auxiliadora RS
11/09/2015 - 19:33

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Meu pai, meu amigo


Sei que deixei a mágoa me consumir
Sei que não perdoei, doeu em mim
Quis ser justa com meus sentimentos
Só colhi lamentos

O mundo me ensinou que não se é perfeito
Mas que minhas ações dizem tudo
Que não somos nada, que morremos
E temo, não quero!

No teu dia, só posso te dar um presente
Porque ganhei demais todos esses anos
E que a ferida aberta, sarou
E que aprendi finalmente a ser humano

Ouvi tua voz, lembrei do teu rosto, dos teus traços
Hoje tua voz é rouca, mansa, carinhosa
Lembrei de ti forte, soberano, capaz de vencer os dias
E hoje, os dias estão te vencendo a cada ano

Pai, te dou meu colo e meu carinho
Porque nunca me deixou sozinha
E quando menos esperei, tu estavas lá
Do meu lado, calado, olhando, me ensinando
Persistindo, me cuidando, me zelando

O teu silencio me ensinou muito mais que palavras
E aprendi a te amar, passar por cima de tudo
Por isso posso afirmar, agora eu sei o que é ser pai...
Obrigada por me considerar filha...



Auxiliadora RS
10/08/2015 - 19:55



segunda-feira, 27 de julho de 2015


Tento secar as lágrimas que teimam em cair
Demonstrar minha tristeza doí muito mais que a luz em meus olhos
Sinto o peso em meus ombros
E essa saudade que em certos momentos me aborrece
E esse aperto no meu peito que não passa
Posso rever os sorrisos deixados lá trás
De cada momento que vivi e agora está tão longe
Como deixar de sentir isso?
Como esconder esse amor que arde tanto?
Se você está tão longe de mim?
...
Preciso secar meus olhos
Preciso esconder esse olhar tão tristonho
...
Debaixo desse céu estrelado
Eu existo e estou só
Sozinha, sentindo sua falta...
Escondendo minha solidão...
Nesse caminho tão difícil...


Auxiliadora RS
28/07/2015 - 00:24


Para minha irmã, saudades!

sexta-feira, 26 de junho de 2015


Aquele abraço que nunca esqueci
E o calor que o percorreu
foi como o mar em maresia
esse amor que não morreu

A pele macia que toquei
a boca úmida que beijei
foi tua a lembrança que ficou
Na geografia do meu corpo marcou

Não se esquece uma noite de amor
E suas promessas profanadas
O toque macio, a pela enrugada
O gosto do beijo
da boca roubada

Corre-me na lembrança
teu semblante e mais nada...


09/06/2015 - 11:25

sexta-feira, 12 de junho de 2015



Que saudade da minha terra querida!
Do calor na pele a queimar
Do verde que me fez aflorar menina
Do povo que aprendi a amar...

Da mistura indígena que está no sangue

Fruto das lutas e das guerras distantes
Do negro chão de onde a comida brota...

Que saudade de ti, Negro Rio

Que lá longe ao barro se mistura
E nas lembranças, pueris aventuras
Da juventude d'outrora...

E aquele céu azul-anil

Que minha mente teima em lembrar-se
não esta longe, está ali, posso tocar
E se abro os olhos, feito o rio voltam a marejar...

Neste canto triste como a noite

Para ti retorno mesmo em sonhos
E em meus versos os mais belos contos 
Da Manaus querida que sempre hei de amar!

Auxiliadora RS

08/06/2015 - 07:23


terça-feira, 9 de junho de 2015


Não me acordes, infinito amor
Pois estou morta em deleite
Onde jaz meu corpo nu
Inerte, em brasa neste leito

E tanto que te busco em desespero

Desfaço em gozo meus anseios
De ser mais tua a qualquer custo

E nesse momento sou poesia

de palavras soltas, jogadas, sem rimas
e se mais coberta, mais despida
e se mais desnuda, sou vencida

Auxilidora RS

08/06/2015 - 08:06



sábado, 6 de junho de 2015



Esse anjo que me visita em silêncio
Me deixa mais segura
conduz meu pensamento
Ah, anjo lindo que me confunde
sem saber que sempre me prende
é luz em minha escuridão
é alma que me preenche
Anjo lindo não me deixe
no abandono desse mundo
trás a luz consigo
Mas volta,
Volta ao meu leito.

Auxiliadora RS
22/05/2015

segunda-feira, 25 de maio de 2015



Poesia é tua pele macia que me cobre
Poesia é teu cheiro doce de baunilha
Poesia é sentir teu tocar a me atiçar
Poesia é teu olhar matreiro e malvado
Poesia é esse sorriso de menino
Poesia e viver contigo todos os dias
És simplesmente poesia
Minha, somente minha!

Auxiliadora RS
25/05/2015 - 21:17

quarta-feira, 20 de maio de 2015



Um vento frio beija minha face
A manhã me convida a viver novamente
Viver algo novo, diferente
Deixando para trás o mundo e seus medos

E vejo quem muito amo ir embora
Para depois retornar
Na bagagem as mais belas histórias
Que em versos virá me contar

Ah, se eu pudesse guardar
Esse ser dentro de mim
Não o deixaria jamais crescer
Ou do meu peito novamente partir

Enlargueço o sorriso quando o vejo
Lindo em tons de azul
Meu anjo a quem tenho apreço
É meu terço, abrasa m'alma, voltou ao berço

Auxiliadora RS
20/05/2015 - 12:43


segunda-feira, 18 de maio de 2015



Faço versos como quem morre
No enlace das rimas mal feitas
Do coração que em horas dorme
Da dor que em fita o enfeita

Quem poderá me tirar essa dor?
De amar demais esse amor?
Do querer em angústia que ficou
Da palavra "Não" que o entoou?

Ah, esse amor me faz sofrer
Mas também me faz viver
Mesmo triste é meu querer

E se amar demais em tristeza
Tem lá também sua beleza
Em querer apenas por querer.


Auxiliadora RS
11/05/2015 - 08:55

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Nada



Asseguro-me da verdade
penso sempre nas diversidades
do humano pensamento
e não entendo, questiono
essa loucura humanoide
que é viver constantemente

Podia ser mas fácil
viver lunático nesse planeta
sem prestar atenção aos erros
que nós, extra-hipócritas terrenos
cometemos ao extremo

E o desassossego diário
da morte que rodeia
das notícias que estapeiam
minha face

Nada pode ser feito
nem mesmo um terno beijo
vai tirar essa dor

E "aquela" flor,
aquela que morreu,
quem sabe, fui "eu"
quem não aguentou viver...


Auxiliadora RS
10/05/2015 - 07:36

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015


Os sonhos que teimam em me atormentar
São luzes que brilham em minha mente
São tormentos que me fazem chorar
Inseguranças que sempre estão lá...

Agora começa o meu dia
E a noite fica em segundo plano
E o pano separa a realidade dos sonhos
Esses que não quero mais sonhar...

Hoje, vou ser novamente esperança
E vou aproveitar e deixar as lembranças
Num canto qualquer da minha realidade
Para viver apenas esse dia de hoje...

Agora que a chuva levou para longe as perdas
Vou sofrer menos as incertezas
E aproveitar para viver essa vontade...

Auxiliadora RS
18.02.2015 - 22:57

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015


A chuva silenciosa caí lá fora
trazendo nos pingos a esperança
Quero tanto um dia frio para ficar a sós com meu amor
poder lhe fazer juras de paixão
entregar novamente meu coração
e sentir paz...
É inexplicável a beleza das árvores
que se deixam tocar pelos pingos frios
que insenssantemente caí lá fora
e se enlaçam como num beijo quente...

Auxiliadora RS
06/02/2013 - 12:33

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015


Não serei capaz de expressar amor tão grande
Não serei capaz de achar palavras exatas
Que possam descrever o que meu peito sente
Que explode e ao mesmo tempo me embriaga
Sentimento santo, mortal, insano e quente
Como veneno que cura e sara
Vou doar-me a vida inteira
Ou morrer tentando
Tentando entender, quem sabe...

Auxiliadora RS
09/01/2015 - 20:11