segunda-feira, 9 de abril de 2012

O que me importa então?



O que me importa o tempo e o espaço,
Se trilhei caminhos orvalhados
Em busca do calor do teu abraço?
...

O que me importa se a verdade se jura
E se a mentira é cura
Para a verdade escondida, não dita?
...

O que me importa se fores os deleites de amores
de mulheres tantas e tantas
mutantes, solitárias, carentes, errantes
em busca de um sussuro, de um afago da tua mão?
...

O que posso sentir a não ser o desprezo de teres
Simplesmente ignorado esse amor já perjurado?
...

O que posso sentir por ti se já sou escrava
e a paixão está cravada no empobrecido coração?
...

Então...
Estou perdida, difusa, confundida
Como tantas e tantas e outras
Que se deixaram e foram e te amaram
Como eu agora bendigo e mendigo.
...

O que me importa então?
...

Auxiliadora RS
09/04/2012  10:36

4 comentários:

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida Auxiliadora
Passo pra felicitar-lhe pela Páscoa do Senhor e nossa e encontro um belíssimo poema que me impele ao Mestre:
mendigar e bendizer...
Eis a chave da questão!!!
Bjm de paz e festivo

ॐ Shirley ॐ disse...

Querida Auxiliadora, por que será , sendo o amor, um sentimento tão lindo e pleno, ainda assim provoca tanta dor?...Eu estava sentindo sua falta, menina! Um beijo!

Parole disse...

Belo poema, querida.

É uma dor enorme amar e não ser amado e ninguém está livre disso.Mentir para si mesmo é a pior mentira, mas as vezes é preciso para suportar melhor esse momento...

Beijinhos.

Ps: eu não encontrava vc!No meu computador dizia que sua última postagem foi em dezembro.

Nilson Barcelli disse...

O que me importa mesmo é a excelência do teu poema.
Gostei muito, querida amiga Auxiliadora.
Beijos.