quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Estou só...




O silêncio me incomoda
É insurdecedor
Ninguém está comigo
Estou só...

A solidão me tomou
Ouço música, fujo
É minha sina?
Viver simplesmente só?

Mais tarde me levanto
Vou embora, pego o trânsito
Para me aninhar na cama
Que me chama

O sono não vem
Reelembro fatos, atos, toques
Beijos e juras que não sei mais
Se foram mais uma sílaba
Jogada ao vento

E vou ficando
Os anos se alongando
Envelhecendo-me
E um dia eu irei embora
Para nunca mais voltar
Da mesma forma como hoje
Sozinha
Simplesmente só...

Auxiliadora RS
26/05/2011  20:04

Um comentário:

Pedro Luis López Pérez (PL.LP) disse...

Es cierto; venimos a este Mundo solos y nos vamos a ir, también, en soledad.
En este tránsito que es la Vida, las Soledad y el Silencio forman parte de ella y nos sumergen en esas añoranzas y melancolías permanentes.
Muy buen Post.
Abraços e beijos.