quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Mãe d'água




Tenho a pele morena e minha face é angelical,
Quem me vê enxerga o paraíso.
Posso ser mulher-menina, que enfeitiça, que alucina
Ou posso queimar tua pele pois minha chama é quente
Meus lábios envolventes.
Sou a reação que mata e aqui na mata 
Sou lenda...
Porém não se engane com minha beleza,
Ela te leva a realeza e depois ao nada.
Posso ser infernal pois minha fome não tem fim,
o teu respirar sim.
Mesmo assim sou o que quiser,
Anjo, demônio ou mulher,
sou a virgem das águas
Dos mares e marés e aqui no Amazonas...
Sou a mãe dàgua.

Auxiliadora RS
05/09/2012  20:01



5 comentários:

Solange disse...

agradeço sua visita, e aproveito pra dizer, que tanto aqui como no parole, amamos em versos. A única diferença, é que o meu amor ainda não voltou..

bjs.Sol

Paulo Sotter disse...

Lindo texto. Misteriosa Mãe d'água, presente nas lendas, na imaginação, mesmo com os perigos descritos a beleza sempre extremamente atraente. Sigo teu blog. Um abraço

O Profeta disse...

Se o mar adormecer em desvario
As ondas não mais se formarem
Se as gaivotas se perderem do ninho
As árvores mais altas tombarem

Se o dia não encontrar a manhã
As nuvens deixarem de chorar água pura
Se as pedras da ilha roubarem a cor ao verde
As tuas palavras deixarem de ser raiva dura

Boa semana


Doce beijo

Parole disse...

Uma bela apresentação da mãe d'agua, ou sereia, cuja beleza hipnotiza os menos avisados. Gostei!

Beijinhos, querida e uma linda semana.

Poesias Partidas disse...

Gostei. Você é a Mãe d'água e eu sou o Paid'égua...Hehe! Brincadeirinha com palavras. Te amo.